Personal tools
You are here: Home Wiki flauta de tamborileiro
Navigation
Log in


Forgot your password?
 
Views

Origem histórica

A figuração mais antiga que conhecemos do tamborileiro entre nós encontra-se numa iluminura do códice quatrocentista da Crónica Geral de Espanha. Como conjunto expressamente natalício (segundo essa tradição a que aludimos, que se documenta desde a Idade Média, em certos casos, vemo-lo representado numa tábua da escola portuguesa de fins do séc. XVI (fig. 1), de factura popular, figurando a Adoração dos Pastores; o tamboril, suspenso do braço esquerdo de um ancião, ao lado de um homem novo que toca qualquer pequena viola de arco, é de fuste baixo, sem arcos; a flauta, de tubo cónico, parece ter três buracos em cima. Este conjunto, cujo princípio parece ter sido conhecido em Roma, nos últimos tempos do Império, foi usado desde então por saltimbancos e jograis, e também, por vezes — como no caso que figura no nosso códice quatrocentista atrás mencionado —, em níveis palacianos; e, sobretudo, ele vê-se com frequência a acompanhar marchas militares de infantaria. O tamborileiro, que constitui um rudimento orquestral extremamente primitivo, que se documenta desde tempos antigos e em níveis sociais diversos, populares, palacianos e militares, em inúmeros países Europeus. Em formas modificadas, sobretudo em Espanha e França, ele perdurou até ao presente, onde está ligado fundamentalmente a formas musicais e ocasiões de carácter tradicional ou cerimonial. Pouco representativo entre nós a despeito do seu grande interesse, o conjunto unitário do tamboril e flauta encontra-se em áreas muito restritas do Nordeste Transmontano e Alentejo interior confinantes com a Espanha.

a flauta de tamborileiro na Europa

contexto social e musical da flauta de tamborileiro

características técnicas da flauta de tamborileiro

técnica do tocador

afinação da flauta de tamborileiro



Powered by Plone CMS, the Open Source Content Management System

This site conforms to the following standards: